Medida Provisória 936: Preservação do Emprego e da Renda

Com o objetivo de contribuir para o enfrentamento da calamidade pública, a MP 936 publicada em 01 de abril de 2020 traz novas opções de flexibilização dos contratos de trabalho e visa a continuidade das atividades empresariais.

As empresas, a partir de agora e mais facilmente, poderão reduzir proporcionalmente a jornada e o salário em até 70% pelo período de 90 dias ou suspender o contrato de trabalho por até 60 dias.

Para os empregados que recebem até R$ 3.135,00 ou acima de R$ 12.202,01, desde que tenham diploma de nível superior, os acordos serão formalizados individualmente, desde que respeitada a antecedência mínima de 02 dias para implementação do ajuste. Se a redução salarial for de 25%, o acordo também poderá ser individual. Excepcionadas estas situações, deverá haver negociação coletiva.

É importante que se demonstre o benefício ao aderir ao acordo, pois o trabalhador poderá buscar o complemento da renda através do benefício emergencial ofertado pelo Governo Federal, trazendo ainda a estabilidade de emprego enquanto perdurar o acordo e por período equivalente após o seu término.

Além disso, estas medidas emergenciais não prejudicam o recebimento do seguro desemprego, caso venha a ser demitido após a estabilidade e acresce uma indenização caso seja dispensado durante este período.

Publicações relacionadas

Impactos da MP 1159/2023: exclusão ICMS da base de cálculo das Contribuições nas operações de entradas

Este primeiro semestre de 2023 tem sido de muitas movimentações no âmbito tributário brasileiro, especialmente para as pessoas jurídicas que atuam no país. Prova disso foi a publicação da Medida Provisória nº 1.159/2023, em 13 de janeiro de 2023, que entre outros pontos, alterou a partir de 1º de maio de 2023 a sistemática de reconhecimento de crédito de PIS e COFINS nas operações de aquisição de bens.   Isto porque, a mencionada Medida Provisória limitou o reconhecimento de crédito tributário de PIS e de…

TCU fixa entendimento sobre marco temporal de aplicação da Nova Lei de Licitações

O Plenário do Tribunal de Contas da União (TCU) firmou pelo entendimento sobre o marco temporal de aplicação da Nova Lei de Licitações n° 14.133/21. A decisão orientará a Administração Pública Federal acerca da aplicação exclusiva da nova lei, que entra em vigor em abril e, substituirá a Lei 8.666/93. O julgamento realizado na quarta-feira (22) entendeu, por unanimidade, que os processos de licitação e contratação direta nos quais houve a “opção por licitar ou contratar” prevista na nova lei podem continuar obedecendo a essas…

Doing business in Brasil: Opportunities, Challenges, and Sectors of Interest

Confira o artigo “Opportunities, Challenges, and Sectors of Interest” escrito pela sócia Carla Calzini e publicado no guia “Doing Business in Brazil” do Iberian Lawyer.