Procuradoria da Fazenda Nacional atualiza dispositivos da transação tributária

Na última semana, o Diário Oficial da União, publicou a portaria nº 6.757/22 que regulamenta novos aspectos da transação tributária. A medida tem como base a Lei nº 14.735/22 que traz significativas alterações em relação a possibilidade de transação tributária de débitos com a União Federal (Lei nº 13.988/20).

Dentre os pontos mais relevantes da publicação estão:

  • Redução da burocracia na apresentação de documentos, por parte do contribuinte, para o processo de negociação com a União;
  • Diminuição de R$ 15 milhões para R$ 10 milhões o valor mínimo para a transação individual de débitos inscritos na dívida ativa. Caso o débito esteja suspenso por decisão judicial ou garantido por penhora, o valor mínimo cai para R$ 1 milhão;
  • Possibilidade da utilização de precatórios para amortizar ou liquidar o saldo devedor;
  • Aumento dos descontos/reduções, de até 50% para até 65% sobre o valor total a ser negociado;
  • Mudança no prazo de parcelamento de 84 para 120 vezes;
  • A possibilidade de negociar também débitos em atraso que ainda não foram inscritos em dívida ativa, na transação tributária;
  • A não incidência do PIS, COFINS, IRPJ e CSLL nos descontos obtidos; e
  • A possibilidade de utilização de prejuízo fiscal de IRPJ e base de cálculo negativa de CSLL para pagamento de dívidas, desde que respeitado o limite de até 70% do saldo remanescentes após a incidência dos descontos.

Após a publicação, houve uma frustração por parte dos contribuintes, uma vez que ela trouxe algumas limitações que vão além do que está disposto na Lei nº 14.735/22 e, dando margem assim, para eventuais questionamentos judiciais a tais restrições. Isso porque a utilização de crédito de prejuízo fiscal/base de cálculo negativa seria permitida apenas nas seguintes circunstâncias: de débitos considerados irrecuperáveis ou de difícil recuperação; para amortizar juros, multa e encargos legais (sendo vedada o abatimento do valor principal, salvo nos casos de recuperação judicial); e apenas se inexistentes ou esgotados precatórios federais ou outros créditos líquidos e certos em desfavor da União.

Desdobramentos

Poucos dias após a publicação da Portaria, a Procuradoria da Fazenda Nacional (PGFND) editou uma nova Portaria, nº 6.941 publicada no Diário Oficial. Nesta, é permitida a utilização do prejuízo fiscal/base de cálculo negativa para amortizar também o valor principal dos débitos, e não apenas multa e juros, tanto para empresas em recuperação judicial quanto para aquelas em regular funcionamento.

Todavia, formam mantidos os dispositivos sobre a utilização “excepcional” desses créditos que ocorrerá a “exclusivo critério da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional”, bem como que prejuízo fiscal/base de cálculo negativa poderá ser utilizado para pagar valores considerados “irrecuperáveis” ou de “difícil recuperação”.

De acordo com as normas editadas pela PGFN são irrecuperáveis os débitos inscritos em dívida ativa há mais de 15 anos (sem garantia ofertada ou exigência suspensa), com a cobrança interrompida por decisão judicial há mais de 10 anos e de titularidade de devedores falidos ou em recuperação judicial.

Entenda a Lei n° 13.988/20

A Lei nº 13.988/20, de forma inédita, regulamentou a possibilidade da União (incluindo suas autarquias e fundações) e os respectivos devedores de tais entes a realizarem a transação de dívidas (tributárias ou não).

Em decorrência dessa norma, a PGFN editou, no mesmo ano, as respectivas normas regulamentadoras de transações: Portaria nº 9.924/2020 sobre débitos inscritos em dívida ativa em função dos efeitos da pandemia da COVID-19 e a transação “ordinária”, Portaria nº 9.917/20. Ambas trazem detalhes sobre as condições das negociações dos débitos passíveis negociação entre contribuintes e fisco.

Publicações relacionadas

COVID-19: Medidas restritivas ao atendimento presencial no comércio – quarentena decretada no Estado de São Paulo

Em prosseguimento às medidas que estão sendo adotadas, desde a decretação de estado de emergência no estado e na capital paulista, em razão da contaminação pelo COVID-19 (novo Coronavírus), o Governo de São Paulo decretou quarentena em todo o Estado, ou seja, em todos os seus 645 municípios, com base no Decreto Estadual nº 64.881, de 22 de março de 2020. A medida passa a vigorar na terça-feira, dia 24 de março de 2020 e é válida por 15 dias. Com isso, está determinado –…

STF proíbe operadoras de planos de saúde coletivos de cancelarem tratamento de paciente grave

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu, na quarta-feira (22), que as operadoras de planos de saúde não poderão suspender a cobertura de pacientes que estejam em tratamento de doenças graves, mesmo em caso de rescisão de contrato de planos coletivos. No entendimento da Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça, caso a operadora pretenda a rescisão unilateral do contrato de plano coletivo firmado, deverá continuar assistindo o beneficiário que estiver internado ou realizando tratamento de doença grave. Em contrapartida, o paciente deverá manter o…

A nova Lei de licitações e contratos administrativos

(Lei Nº 14.133/2021 de 01.04.2021) O primeiro dia do mês de abril trouxe ao ordenamento jurídico a tão esperada Nova Lei de Licitações e Contratos Administrativos (Lei n º 14.133/2021) que, apesar de ainda não ter caráter obrigatório, tem vigência imediata, ou seja, a Administração pode, a qualquer momento e a seu critério, aplicá-la às licitações posteriores a vigência da lei. É dizer: já podemos enfrentar processos licitatórios regidos pela Lei n º 14.133/2021. Leis de grande importância nessa área, como a Lei nº 8.666/93,…